quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios – Edir Macedo

Editora: Unipro
ISBN: 978-85-7140-260-7
Opinião: ★☆☆☆☆
Páginas: 156
Sinopse: É impossível um praticante do espiritismo ler este livro e continuar na sua prática, também será difícil a um cristão ler este livro e continuar a professar uma fé descuidada e estagnada. Todas as áreas do demonismo são postas a descoberta neste livro; todos os truques e enganos usados pelo diabo e seus anjos para iludir a humanidade são revelados. O leitor será esclarecido sobre a origem das doenças, desavenças, vícios e de todos os males que assolam o ser humano. Este livro deve ser lido com afinco, pois as verdades nele apresentadas chegam a ser chocantes.



“O povo brasileiro herdou, das práticas religiosas dos índios nativos e dos escravos oriundos da África, algumas “religiões” que vieram mais tarde a ser reforçadas com doutrinas espiritualistas, esotéricas e tantas outras que tiveram mestres como Franz Anton Mesmer, Allan Kardec e outros médiuns famosos. Houve, com o decorrer dos séculos, um sincretismo religioso, ou seja, uma mistura curiosa e diabólica de mitologia africana, indígena brasileira, espiritismo e cristianismo, que criou ou favoreceu o desenvolvimento de cultos fetichistas como a umbanda, a quimbanda e o candomblé. (...)
No Brasil, em seitas como vodu, macumba, quimbanda, candomblé ou umbanda, os demônios são adorados, agradados ou servidos como verdadeiros deuses. No espiritismo mais sofisticado, eles se manifestam mentindo, afirmando ser espíritos de pessoas que já morreram (médicos, poetas, escritores, pintores, sábios, etc). Se fazem também passar por espíritos de pessoas da própria família dos que se encontram nas reuniões, quando são invocados para “prestar caridade” ou receber uma “doutrina”.
De deuses a demônios
No candomblé, Oxum, Iemanjá, Ogum e outros demônios são verdadeiros deuses a quem o adepto oferece trabalhos de sangue, para agradar quando alguma coisa não está indo bem ou quando deseja receber algo especial.
Na umbanda, os deuses são os orixás, considerados poderosos demais para serem chamados a uma incorporação. Os adeptos preferem chamar os “espíritos desencarnados” ou “espíritos menores” (caboclos, pretos-velhos, crianças, etc.) para os representar, e a estes obedecem e fazem os seus sacrifícios e obrigações.
Na quimbanda, os deuses são os exus, adorados e servidos no intuito de alcançar alguma vantagem sobre um inimigo ou alguma coisa imoral, como conquistar a mulher ou o marido de alguém, obter favores por meios ilícitos, etc.
No kardecismo e nas demais ramificações espíritas ou espiritualistas, os demônios se apresentam como espíritos evoluídos ou ainda em evolução, que precisam de doutrina. Na maioria desses cultos, eles são invocados para prestar caridade, seja praticando o curandeirismo ou transmitindo mensagens que vão “iluminar” os adeptos. Existem grupos espíritas ou espiritualistas que lidam com os espíritos (demônios) por intermédio da mente ou de práticas experimentais de meditação, transmigração e coisas assim. Alguns desses demônios chegam a afirmar que são moradores de outros planetas, com uma função espiritual na Terra.”


“Um demônio é uma personalidade; um espírito desejando se expressar, pois anda errante procurando corpos que possa possuir para, através deles, cumprir sua missão maligna. Os orixás, caboclos e guias, na realidade, nunca fazem bem em favor do seu “cavalo”. Exigem obediência irrestrita e ameaçam de punição aquele que não estiver andando “na linha”.
Vivem castigando seus seguidores e não têm bênção alguma para dar. Pessoas bem-intencionadas e religiosas passam anos e anos acreditando de todo o coração nos poderes dos orixás e dos pretos-velhos.
O que veem, no entanto, nunca realmente as satisfaz. O diabo, organizador de tudo isso, engana a humanidade. Com rituais, danças e oferendas, induz o ser humano a abrir sua vida às forças do inferno, de sorte que este fica escravo dos espíritos, pagando um preço incrivelmente alto pelos pequenos favores recebidos, os quais o mantêm enganado.”


Como os demônios se apoderam das pessoas?
6 - Por comidas sacrificadas a ídolos
Um senhor chegou até nós afirmando sofrer do estômago há 10 anos. Disse que foi submetido a cinco operações cirúrgicas, mostrou as cicatrizes, e nada, absolutamente nada o curava. Sentia dores fortíssimas e nem ao menos podia tocar com os dedos na região do estômago. Os médicos não resolveram o problema e sua situação era insuportável.
Ao receber a oração da fé, o demônio foi expelido da sua vida. Era um espírito maligno que o fazia sofrer do estômago, simplesmente por causa de uma comida “trabalhada” que aquele homem ingeriu. Assim que o demônio foi expulso daquele corpo, o homem ficou imediatamente curado e glorificou a Deus.
Todas as pessoas que se alimentam dos pratos vendidos pelas famosas baianas estão sujeitas, mais cedo ou mais tarde a sofrer do estômago. Quase todas essas baianas são filhas-de-santo ou mães-de-santo que “trabalham” a comida para terem boa venda. Algumas pessoas chegam a vomitar as coisas que comeram, mesmo que isso tenha sido há muito tempo.
Parece piada ou história de crianças, mas aqueles que têm convivido conosco e assistido a nossos cultos conhecem de perto a atuação de satanás e seus anjos, através, até mesmo, de coisas simples como estas.”


“Os demônios sabem que os homens são muito vaidosos e por isso inventam nomes sofisticados para agarrar suas presas e fazer delas “cavalos”, “burrinhos” ou “aparelhos”. Não existe mediunidade! O que existe são pessoas que, por causa da ignorância e estupidez, entregam seus corpos para a habitação dos espíritos demoníacos.
Todas as pessoas que entram no espiritismo são logo chamadas de médiuns. Por quê? Simplesmente porque se não têm demônios em seus corpos, fatalmente o terão e daí passarão à prática do demonismo.”


“Isso é possessão: ter o corpo usado pelos demônios para habitação. Aliás, mediunidade é sinônimo de possessão.”


“Toda doença tem uma vida; isto é, algo que a faz aumentar e continuar a sobreviver. Se a pessoa sofre de uma ulceração na pele, esta doença é provocada por um germe que só é visto por intermédio do microscópio, mas o germe está vivo. Há uma força que o faz viver e essa força tem vida. É o espírito de enfermidade. Quando se toma um remédio eficaz, o germe morre. O espírito de enfermidade deixa o corpo do germe e a doença, naturalmente, acaba. (...)
Quando morremos, o nosso espírito nos deixa e vai direto para o diabo ou para Deus, dependendo, é claro, da nossa fé professada durante a vida. Assim acontece com todas as doenças. Quando um remédio mata o germe que causa a doença, o corpo do germe morre e o espírito deste o deixa, ficando a pessoa curada. Existem demônios que têm prazer em se apossar de um germe e atuam no corpo de uma pessoa para fazer-lhe mal. Não é de estranhar que, ao falarmos ao demônio alojado no estômago, na garganta ou em qualquer outra parte para que saia, a pessoa após estremecer e gritar, fique curada.”


“Os maiores médicos do Rio de Janeiro já chegaram à conclusão de que o espiritismo é a maior fábrica de loucos que existe. Infelizmente, alguns aproveitadores ou sensacionalistas ainda dão ênfase a esta pouca vergonha, indo nos programas de televisão e rádio, bem como nos jornais, dando apoio à patifaria e a imundície que está por trás disso tudo.
Basta uma visita aos consultórios psiquiátricos para verificarmos que os pacientes, muitas vezes jovens e inteligentes são pessoas que foram desgraçadas por essa praga, perante a nossa sociedade. Se o povo brasileiro tivesse os olhos bem abertos contra a feitiçaria, a bruxaria e a magia, oficializadas pela umbanda, quimbanda, candomblé, kardecismo e outros nomes, que vivem destruindo as vidas e os lares, certamente seríamos um país bem mais desenvolvido.”


“É muito natural as pessoas terem dores de cabeça provocadas por tensões emocionais, desgastes físicos, pressão alta, má digestão, etc., mas, quando se trata de dores de cabeça constantes, podemos garantir que na grande maioria dos casos há possessão. (...)
Normalmente, quando uma pessoa é oprimida pelo demônio, ela tem nervosismo, dores de cabeça e insônia.
A insônia frequente é um dos maiores males de possessão por espíritos demoníacos. Os espíritos alojados nas mentes das pessoas fazem com que estas não tenham sossego mesmo durante as noites.”


“Nem todas as pessoas endemoninhadas declaram o objetivo de querer se matar, entretanto, todas as pessoas que vivem querendo morrer são endemoninhadas.”


“Uma das maiores mentiras do espiritismo é afirmar que as pessoas precisam “desenvolver”. A Bíblia ensina o homem a desenvolver a sua salvação e a se aperfeiçoar no serviço cristão. Os demônios também ensinam que isso é necessário àqueles que estão em suas garras, numa clara imitação dos preceitos bíblicos. O amado leitor, se for conhecedor da Palavra de Deus, terá consciência de que os rituais judaicos do Antigo Testamento são copiados pela umbanda, quimbanda e, principalmente candomblé. A maioria dos símbolos do espiritismo é copiada infernalmente do Antigo Testamento.
O diabo tem tentado confundir o povo e até certo ponto tem sido bem-sucedido. O Brasil, por exemplo, tem mais de um terço da sua população nas suas garras. São mais de 40 milhões de espíritas que estão enganados e precisam conhecer a verdade só revelada por Jesus. O que sobra da população brasileira, ora vive consultando os “guias” nos terreiros, ora vive amedrontada e escondida. Poucos são os que têm a coragem de entregar a Cristo suas vidas e se alistarem na luta contra o diabo e seus demônios.”


“Cada ramo do espiritismo, tal qual, umbanda, quimbanda, candomblé, LBV, ecletismo, rosacrucianismo, kardecismo, esoterismo e tantos “ismos” diabólicos, tem a sua própria maneira de ensinar alguém a “desenvolver”.
Desenvolver para quê?
Desenvolvimento é, na verdade, permitir a atuação cada vez mais intensa dos demônios em nossas vidas. Cada vez mais, o homem vai sendo entrelaçado e dominado, tornando-se totalmente submisso aos demônios.
Enquanto a pessoa não se torna uma escrava, já que a sua mente ainda resiste ao domínio do diabo e seus anjos, não terá atingido o “desenvolvimento” perfeito.”


“Se acha que estamos exagerando, dê uma olhada crítica nas pessoas que estão dando ouvidos aos espíritos. Procure verificar suas vidas, e irá constatar gente sofrendo desgraçadamente inúmeros males. Veja os sanatórios, manicômios, presídios e hospitais. Você entenderá então por que combatemos o espiritismo e suas ramificações com todas as nossas forças.
Essa religião tão popular no Brasil é uma fábrica de loucos e uma agência onde se tira o passaporte para a morte e uma viagem para o inferno.”


A caridade
Caridade é ordem do dia em todos os centros e terreiros onde se pratica o espiritismo ou demonismo. Com essa palavra “mágica”, nem sempre bem compreendida, pessoas sinceras e bondosas são atraídas e enveredam por caminhos que à primeira vista parecem bons, mas que têm no seu desenrolar, engano, astúcia e dolo.
“Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.”
Provérbios 14.12
Nos centros espíritas fala-se muito em caridade. Diz-se que deve ser exercida na relação com as outras pessoas e com os espíritos, que sabemos ser demônios. Se uma pessoa está sofrendo, dizem que é por falta de caridade e que seus “guias” querem usá-la para, através dela, fazer caridade a fim de que possam evoluir no plano espiritual. Presta-se caridade de pessoas para pessoas, dos “guias” para as pessoas e das pessoas para os “guias”.
Assim, qualquer contato com os demônios tem o espírito de caridade. O fato de existirem muitos asilos, orfanatos e até hospitais espíritas, obras de um ou outro visionário, não representa efetivamente a ação dos espíritos. Não estou dizendo que os demônios não utilizem esses meios para enganar; pois isso é possível, mas considero que existem muitas pessoas realmente interessadas em fazer o bem ao próximo; pena estarem enganadas, pois dão um remédio para amenizar, de um lado, e prejudicam terrivelmente do outro, o principal, o lado espiritual.”


“Pode, por acaso, uma seita que determina tais práticas, ser considerada religião? Vemos coisas assim serem publicadas quase que diariamente em nossos jornais e, já que a nossa sociedade não pode tomar medidas contra isso, somos obrigados a, em nome de Jesus Cristo, levantar a nossa voz!”

5 comentários:

Doney disse...

A escala do blog só vai até o ruim. No presente caso ela foi insuficiente, não conseguiu contemplar a qualidade deste livro – que seria mais bem descrito como tenebroso.

Unknown disse...

NUNCA LI TANTA BESTEIRA NA MINHA VIDA

Unknown disse...

O mestre Jesus foi o primeiro a falar do amor e por em prática o amor! Eu aprendi a palavra concretizada e praticada do amor de deus no espiritismo.dou graças a deus..coisa que o catolicismo é protestianismo jamais falou muito menos praticou.

Unknown disse...

E mal intencionado

alguém anônimo disse...

deuses africanos são demônios? tá brincando com a minha cara?