A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Os Sete - André Vianco

Editora: Novo Século
ISBN: 8587791052
Opinião: **
Páginas: 380
 
    “Todo o time imaginava encontrar algo de bom dentro da caixa. Esperavam por todo tipo de tesouro. Escrito, material, religioso, revelador... mas ninguém esperava por algo tão umbrífero, tão funesto. Ninguém contava com uma piada do diabo.”


    “Deveria ser proibido às crianças morrerem, era o que pensava quando chegou ao veículo.”


     “– Manuel, meu amigo. Tu agora vais voltar para este mundo farto. Afinal, se tu não podes ser morto, nem eu, por que ficar assemelhado a um?”


    “O morto vivo abandonou o caixão e arrastou-se para fora da sepultura. A tumba escura estava vazia, e ele não tinha ideia do que fazia ali. Não se lembrava de seu último dia lá fora. Estava ajoelhado no chão frio. Olhou para cima e viu a portinhola por onde deveria sair. Seu corpo estremeceu. Os músculos doíam a cada movimento, mesmo os menores. Sabia que estava no fundo de uma tumba. Havia acabado de escapar da sepultura. Ah, que coisa horrível! Por que o haviam colocado ali? Ele não estava morto. Levou a mão ao peito. Não sentia o coração batendo. Ah, meu Deus! Perguntou-se o que estaria fazendo ali. Ele não tinha uma resposta. Uma mão surgiu, entrando pela portinhola, acompanhada de uma voz rouca e paciente. 
     – Vem, meu filho. Vem e eu respondo a todas as perguntas.”

3 comentários:

Anônimo disse...

A placa de gelo não oscilava mais. E Miguel... o vampiro estava ali, na sua frente. O vampiro
sorriu.
— Este é meu dom poderoso, que só posso fazer uma vez a cada nova lua.
Os olhos de Tiago estavam tão cheios quanto os olhos de uma criança que vai pela primeira vez ao parque de diversões.

Anônimo disse...

— Ei, Miguel! Antes de ir, me diga. Do que você mais gostou... de tudo c que viu aqui nesta
terra?
O vampiro pensou um instante e sorriu. Puxou o cordão, e mais uma vez o motor apenas roncou.
Outra tentativa, outro insucesso. Olhou para Tiago, que já avançava mar adentro para ajudá-lo.
— Sabe do que mais gostei, brasileiro?
— Vamos lá, Miguel, deixa de suspense e fala logo.
— Gostei mais das luzes, ó pá. As luzes elétricas são lindas!

Anônimo disse...

— TU FEDES! — tonitroou uma voz poderosa, com forte sotaque lusitano. Tiago estava de
quatro, balançando a cabeça, tentando manter-se consciente. Sétimo havia acordado.