A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Os Pilares da Terra (volume I) - Ken Follett

Editora: Rocco
ISBN: 978-85-3250-075-5
Opinião★★★☆☆
Páginas: 496
     “Houve um tempo, se é que se podia acreditar na lenda, em que os monges eram iguais em tudo. Um grupo de homens decidia voltar as costas ao mundo do apetite carnal e construir um santuário numa região erma, onde poderiam viver a vida de orações e desprendimento; e assumiam uma nesga de terra árida, limpando a floresta e drenando o pântano, aravam o solo e construíam sua igreja. Naquele tempo eram realmente como irmãos. O prior, como seu título indicava, era apenas o primeiro entre iguais, e eles juravam obediência perante a regra de São Bento, e não a autoridades monásticas. Mas tudo o que restara agora da antiga democracia era a eleição do prior e do abade.”


     “Ele parecia gostar de Philip mas ao mesmo tempo desconfiar dele, como um pai cujo filho esteve na guerra e voltou para casa com uma espada na cintura e um brilho ligeiramente perigoso no olhar.”


     “A conversa sobre a mulher dele fora tocante, revelando uma piedade que até então não se evidenciara. Era uma dessas pessoas que guardam a fé religiosa no fundo do coração. Às vezes são as melhores.”


     “É notório que os reis se tornam piedosos à medida que envelhecem. Estêvão ainda era jovem.”


     “Não se pegam as heresias dos outros como se pegam suas pulgas.”


     “Deixe-me dizer-lhe uma coisa com toda sinceridade. Um homem esperto não a empregaria como serva. Você está acostumada a dar ordens, e verá que é muito difícil estar do lado de quem as recebe. – Aliena abriu a boca para protestar, mas ele ergueu a mão para detê-la. – Oh, sei que você está disposta a trabalhar. Mas durante toda a sua vida os outros a serviram, e até mesmo agora, no fundo do coração, você sente que as coisas deveriam ser arranjadas de modo a satisfazê-la. As pessoas nascidas nas classes mais altas dão maus servos. São desobedientes, ressentidas, imprudentes, suscetíveis e pensam que estão trabalhando duro mesmo que estejam trabalhando menos que todos os outros.”


     “Fazer um juramento é pôr uma alma em risco, dizia ele. Nunca faça um juramento, a menos que tenha certeza de que preferirá morrer a não cumpri-lo.”


     “Por que as pessoas fabricavam problemas quando já havia tantos no mundo?”

Nenhum comentário: