A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll

Editora: L&PM
ISBN: 852540943X
Opinião: ***
Páginas: 172


     “Mas tudo é esquisito hoje.”


     “Era muito mais agradável em casa”, pensou Alice, “quando não vivia crescendo e diminuindo desse jeito, nem recebendo ordens de camundongos e coelhos.”


     “Volte!” chamou a Lagarta. “Tenho algo importante a dizer: Não perca as estribeiras!”


     “Gostaria que as criaturas não se ofendessem tão facilmente!”


     – Mas se as meninas comem ovos, ora, então são uma espécie de serpente. É o que digo! –  disse a pomba.


      “Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?”
      “Isso depende bastante de onde você quer chegar”, disse o Gato.
      “O lugar não me importa muito...” , disse Alice.
      “Então não importa que caminho você vai tomar”, disse o Gato.
      “Desde que eu chegue a algum lugar”, acrescentou Alice em forma de explicação.
      “Oh, você vai certamente chegar a algum lugar”, disse o Gato, “se caminhar bastante.


     – “Visite quem você quiser, são ambos loucos”.
      “Mas eu não ando com loucos”, observou Alice.
      “Oh, você não tem como evitar”, disse o Gato, “somos todos loucos por aqui. Eu sou louco. Você é louca. Você deve ser, senão não teria vindo para cá.”


     “Nunca imagine que você não é senão o que poderia parecer aos outros que o que você foi ou poderia ter sido não era senão o que você tinha sido que lhes parecia ter sido diferente.”