A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Nedjma - Amêndoa

Editora: Objetiva
ISBN: 8573026367
Opinião: ***
Páginas: 208


     “No Livro de Contabilidade que o Eterno mantém, os homens certamente estão inscritos no capítulo dos Fanfarrões”.


     “Eu até disse a mim mesma que a liberdade era mais embriagadora que a primavera”.


     “O pecado! Eles (os religiosos) só têm esta palavra na boca”.


     “Felicidade? Felicidade é fazer amor por amor. É o coração quase explodindo de tanto palpitar quando um olhar único pousa em sua boca, quando uma mão deixa um pouco de seu suor atrás de seu joelho esquerdo. É a saliva do ser amado que lhe escorre na garganta, doce, transparente. É o pescoço que se alonga, desfaz seus nós e seus cansaços, vira o infinito porque uma língua o percorrem em toda sua extensão. É o lóbulo da orelha que pulsa como um quadril. São as costas que deliram e inventam sons e arrepios para dizer “eu te amo”. É a perna que levanta, aquiescente, a calcinha que cai como uma folha, inútil e incômoda. É uma mão que penetra a floresta dos cabelos, desperta as raízes da cabeça e as rega, generosamente, com sua ternura. É o terror de dever se abrir e a incrível força de se oferecer, quando tudo no mundo é pretexto para chorar. Felicidade é Driss, teso pela primeira vez dentro de mim, e cujas lágrimas pingavam no meu ombro. Felicidade era ele. Era eu.
     O resto eram apenas fossas comuns e descargas públicas”.


     “Com cuidado, depois cada vez mais freneticamente, torno a explorá-lo, coroado de uma virgindade desprezível e magnífica. Ele quer isso. Não tenho Driss nem a cenoura de Bornia na mão. Pego-o e colho-o, severa. Ele pede mais. A extremidade do clitóris desponta, solta, como uma língua de fogo. Sucumbo. Quero isso. Quero a mim. Com o polegar, provoco a ereção sublime. Meu clitóris se escora no indicador caridoso e compreensivo que sustenta sua rigidez. Sua embriaguez. Comprimo essa massa de água e fogo para puni-la. Meu sexo me venceu. Está feliz e vibro até os dedos dos pés com sua felicidade. Mais que tudo, é a superfície macia e branca que me emociona. Gozo com e por esse sexo nu que caçoa de mim. Ele é tão lindo que compreendo que queiram enfiar a língua nele. Não me masturbo: faço amor com o bicho abençoado que goza sem vergonha nos meus dedos. Ele não pára de escorrer e eu de lhe dizer: “Mais... Mais.” É de morrer de rir: apaixonei-me por minha própria boceta. Em uma noite, dei um passo de sete léguas, atravessei o espelho para finalmente me encontrar”.


     “Se nunca pude pôr um filho no mundo, foi por não ter encontrado o pai que o protegesse dele”.


     “Uma boceta tem mais necessidade de duas picas que uma pica de duas bocetas”.


     “Cada boceta traz, desde que nasce, os nomes de quem vai comê-la”.


    “- Por que você não se casou?
     - Pelas mesmas razões que você, imagino. Liberdade demais, orgulho demais, tudo demais”.


     “Diante dos pecados de uma mulher, os anjos são somente homens iguais aos outros”.

Nenhum comentário: