domingo, 13 de novembro de 2011

A busca do graal: O arqueiro – Bernard Cornwell

Editora: Record
ISBN: 978-85-0106-170-6
Opinião: ★★★☆☆
Páginas: 450


     “Um arqueiro não mira, ele mata.”


     “– Todo mundo vai estar bêbado em breve – disse o padre Hobbe – e o horror vai terminar. Sempre termina. Cerveja e vinho, Deus sabe, são grandes causas de pecado, mas fazem com que ele tenha vida curta.”


     “– O meu nome é Mordecai, mas você pode me chamar de doutor. Não vai chamar, é claro. Vai me chamar de judeu maldito, assassino de Cristo, adorador secreto de porcos e raptor de crianças cristãs. – Tudo isso foi dito com humor. – Que absurdo! Quem iria querer raptar crianças, cristãs ou outras quaisquer? Coisas abomináveis. O único favor que as crianças fazem é que elas crescem, como fez o meu filho, mas então, tragicamente, elas geram mais crianças. Nós não aprendemos as lições da vida.”


     “– Então Sir Guillaume lhe contou a história da vida dele? – perguntou Mordecai.
     – Contou.
     – E você é parente do homem que matou a mulher dele.
     – Não sei – disse Thomas –, na verdade não sei, mas o yale indica que sou.
     – E é provável que Sir Guillaume tenha matado sua mãe, e o homem que matou a mulher dele matou o seu pai, e Sir Simon Jekyll tentou matar você. – Mordecai abanou a cabeça. – Todas as noites, eu lamento por não ter nascido cristão. Eu poderia portar uma arma e entrar na disputa.
     – Ele deu um frasco a Thomas. – Tome – ordenou – e, por falar nisso, o que é um yale?
     – É um animal heráldico – explicou Thomas.
     – Deus, em sua infinita sabedoria, fez os peixes e as baleias no quinto dia, e no sexto fez os animais da Terra, olhou para o que tinha feito e viu que era bom. Mas não o suficiente para os arautos, que têm que acrescentar asas, chifres, presas e garras ao Seu trabalho inadequado.”


     “– Meu pai tinha um livro com citações de Santo Agostinho e havia uma que sempre me intrigou – ele franziu o cenho, na tentativa de lembrar-se do latim – Nondum amabam, et amare amabam. Eu não amava, mas ansiava por amar.
     Eleanor dirigiu-lhe um olhar cético.
     – Uma maneira muito rebuscada de dizer que você se sente solitário.”


     “Os homens enlouquecem quando sabem demais.”


     “– Flechas! – tornou Skeat a dizer. – Não vão desperdiçá-las. Ele jogou os feixes, um a um, para os arqueiros. – Parece muito, mas a maioria de vocês, seus leprosos miseráveis, nunca estiveram numa batalha de verdade, e as batalhas engolem flechas como putas engolindo... Bom dia, padre Hobbe!
     – Vai me dar um feixe, Will?
     – Não o desperdice com pecadores, padre – disse Will, jogando um feixe para o sacerdote. – Mate alguns franceses tementes a Deus.
     – Isso não existe, Will. Todos eles vieram de Satã.”



      “Não se pode dar as costas para Deus.”

Nenhum comentário: