sábado, 15 de outubro de 2011

Garotos incríveis – Michael Chabon

Editora: Record
ISBN: 978-85-0105-778-5
Opinião: ★★★★☆
Páginas: 338

     “Eu bebi durante anos. Depois, parei de beber e descobri a verdade triste sobre as festas. Um homem sóbrio numa festa é tão solitário quanto um jornalista, tão implacável quanto um legista, amargo como um anjo olhando do céu. Há algo puramente idiota em comparecer a uma grande reunião de homens e mulheres sem o benefício de alguma poção ou algum pó mágico para cegá-lo e enfraquecer suas faculdades críticas. A propósito, não pretendo colocar a sobriedade nas alturas. De todos os modos de consciência humana disponível ao consumidor moderno, eu a considero a mais superestimada. Não parei de beber porque tinha problemas com bebida, mesmo supondo que talvez tivesse, mas porque o álcool, misteriosamente, havia se tornado tão venenoso para o meu corpo que meia garrafa de George Dickel fez meu coração parar por quase vinte segundos (acabei descobrindo que era alérgico àquele negócio).”


      “Toda história é a história do azar de alguém.”


      “Eu apenas nunca desejaria pertencer a um clube que me aceitasse como sócio.”


      “Com Emily, não havia acontecido amor à primeira vista, verdade. À primeira-vista, achei-a fria e distante, apesar de linda, e ela me achou metido a besta, hiperbólico, alcoólatra e barulhento. Nós estávamos certos, claro.”


      “Os escritores, diferentemente da maioria das pessoas, contam as melhores mentiras quando estão sozinhos.”


     “– Que punhado de... não sei... ricos... ricos sacanas. – Ele olhou para o colo. – Sinto pena deles.
     – Quer dizer que você não gostaria de ser um rico sacana?
     – Não. Os ricos nunca são felizes.
     – Não?
     – Não – disse James em tom grave. – Quero dizer, as pessoas sem nenhum dinheiro também não têm grandes chances de felicidade na vida, claro. Mas os ricos, eu acho, não têm nenhuma.
     – A não ser que comprem.”


      “Segurei seu queixo, acariciei o cabelo agradável e admirei pela milésima vez os planos surpreendentes de seu rosto virado para baixo. Emily era uma mulher pensativa, intensa e complicada, com bom ouvido para diálogos, um belo senso do absurdo e um coração leal, mas eu poderia não ter motivo melhor para me apaixonar por ela do que seu rosto. E também não me importo com o que você diga a meu respeito. Pessoas se casam por motivos piores do que esse. Mas, como todos os rostos lindos, o de Emily fazia a gente acreditar que sua dona era uma pessoa melhor do que era.”


     “– Vejo você logo – disse Tripp.
     – Tenha cuidado – disse Hanna, tirando fiapos de cabelo que haviam se grudado no bálsamo labial no canto da boca.
     – Terei.
     Já que ela estava se apaixonando por mim, eu podia muito bem começar a fazer promessas que não pretendia cumprir.”


      “Nenhuma explicação é suficientemente concisa ou sincera que sirva a um policial.”


     “Fiquei pasmo ao ver que o principal obstáculo ao contentamento conjugal era esse golfo perpétuo entre o pessimismo bem fundado, recomendável, das mulheres e o otimismo totalmente idiota dos homens, este último uma força muito mais responsável do que qualquer outra pelo estado lamentável do mundo.”

Nenhum comentário: