A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Abilolado mundo novo – Carlos Maltz

Editora: Via Lettera
ISBN: 978-85-7636-095-7
Opinião★★★☆☆
Páginas: 240



“Porque se não soubermos sentir a dor, também não saberemos sentir prazer. (...) Não tem jeito de estarmos vivos e não sentirmos dor. A dor faz parte da vida. A dor é uma de nossas maiores amigas, e o único jeito de não sentirmos dor, é nos anestesiarmos a ponto de não sentirmos nada... Quem se anestesiar não sente dor, mas, em compensação, também não sente mais nada... Fica confortavelmente anestesiado para tudo... Joga fora o bebê junto com a água do banho ou, se você preferir, joga fora a possibilidade de amar, junto com o medo de sofrer... Não existe vida sem a possibilidade do sofrimento... É aquela história do cara que “vive como se nunca fosse morrer, e morre como se nunca tivesse vivido”.”


“Sem dúvida, como eu vinha dizendo, concordo inteiramente com a frase do Gessinger: “Você que tem ideias tão modernas é o mesmo homem que vivia nas cavernas”. O mundo mudou muito, na superfície, na aparência, mas, no fundo, não somos tão diferentes assim dos nossos antepassados... Em termos emocionais a coisa anda muito devagar... O mundo das emoções num tá nem aí pro nosso avanço tecnológico e talz... Veja a internet: milhões de pessoas procurando alguém... Milhões de pessoas diariamente se conectando para encontrar um pouco de algo que elas sentem muita falta, mas não sabem o que é... Mudamos muito pouco mesmo nas coisas que realmente importam... Vejam esses sites de realidade virtual... Forte-apaches dos meninos e das meninas grandes... Multidões de Barbies e Kens em busca de emoções que não vão encontrar e que vão gerar mais ansiedade, e mais horas navegando no mar da ilusão... A indústria da pornografia on-line é uma das que mais crescem nesse mundo rico de coisa e pobre de alma... Um grande neg-ócio...”.


Fuga
(Carlos Maltz)
Você que está parado aí nessa porta
Tentando esquecer que é você que se importa
Com o que eu vivo 
Ou deixo de viver

Você que já fugiu de sua própria vida
Você me fez sentir a dor de sua ferida
Agora, não pode nem me ver

Quanto mais você foge
Mais perto você fica
Do fogo
Que arde em você

Você que já fez tudo que já tinha feito
Você buscou em mim todos os seus defeitos
Ninguém vive a vida por ninguém

Você já teve a chama acesa em sua mão
Você gelou o sopro da sua paixão
Tenho um pedaço
Do resto do teu coração

Quanto mais você foge
Mais perto você fica
Do fogo
Que arde em você


“Tem um amigo meu, compositor lá do Tocantins, o Juraílde da Cruz que escreveu: “Eu tentei correr de mim, mas pra onde eu ia, eu tava”.”


“A máquina voraz gera produtos e consumo. Quer consumidores. Todos temos que ser consumidores. Essa é nossa identidade nesse admirável mundo novo em que vivemos. Só existimos enquanto consumidores e, se para sermos reais nesse mundo temos que ser consumidores, as pessoas farão qualquer coisa para se enquadrar nisso. Qualquer coisa! A máquina voraz tem uma lógica própria: pessoas que roubam milhões e dão golpes gigantescos são personagens de luxo desse sistema, a menos que deixem rastros escandalosos. Já as pessoas vindas das classes sociais menos favorecidas, que na ânsia e na incompetência de se tornarem consumidores, causarem algum ruído que possa atrapalhar a paz de Muzak dos shopping centers, serão exilados em penitenciárias cada vez mais modernas, superlotadas... Ainda chegaremos a cumprir a profecia de Huxley, criando um outro país, onde os marginalizados e os excluídos vivam em um estado de isolamento que não possam causar ruído, nem contaminar nosso mundo esterelizado. Nossa sociedade está dividida em consumidores e não consumidores, que são eliminados.”


“Bode expiatório é o nome de uma prática judaica antiga. Os Judeus têm o seu tradicional Dia do Perdão, que é um dia em que a pessoa faz uma espécie de avaliação dos erros que cometeu no ano que passou, se limpa desses erros e se compromete a não cometê-los novamente... Antigamente, existia a prática do “bode expiatório”, que era um animal, um bode mesmo, no qual se jogavam todos os pecados... Depois, esse animal era levado ao templo, onde era sacrificado, juntamente com os pecados da galera, que se sentia mais leve para iniciar o ano novo que estava começando.”


Dia novo (pra você)
(Carlos Maltz & Marcos Mesquita)
Pelas ruas da cidade
Procurando encontrar alguém 
Que ainda esteja vivo 
E que se importe se eu estou também 
Pelas ruas da cidade onde eu cresci 
Procurando encontrar alguém que possa me dizer pelo menos: 
“Meu amigo, como vai você?, como tens andado?” 
Vou cruzando com olhares de fachada
Esbarrando em multidões de autistas
Todos eles têm os olhos na estrada
Mas só podem ver a sua própria pista

Pelos prédios da cidade futurista
Eu procuro por alguém que ainda insista
Em manter acesa a chama do seu coração 
Procurando água no deserto da solidão 
Pelas pedras da cidade velha
Onde eu caminhei 
Eu procuro as pegadas
De alguém que eu tanto amei

Eu não quero te perder (me perder)
Nunca mais

Agora, abre os olhos
E vem ver o Sol que já vem nascer 
Amanhecerá um dia novo pra você (amanhã será)
É o que te deseja alguém que te quer bem.


“Henry D. Thoreau escreve em 1854:
Por fecharem os olhos e dormirem, por consentirem em ser enganados pelas aparências, os homens em toda parte estabelecem e confirmam suas vidas diárias de rotina e hábito em cima de fundações puramente ilusórias. Crianças, que brincam de viver, discernem com mais clareza que os adultos a verdadeira lei da vida e suas relações, enquanto estas fracassam sem conseguir vivê-la condignamente, embora pensem que a experiência, isto é, o fracasso, os tornou mais sábios.


“Pra que Satanás ia perder tempo com mensagens subliminares, se ela está escancarada em todas as páginas de jornais, estações de televisão, emissoras de rádio? (...) A maioria esmagadora de todos os programas de todas as estações de televisão do mundo, com honrosas exceções... transmitindo mensagens de medo, morte, banalização do sexo, do amor, do corpo humano... Banalização da violência, machismo, sexismo... depravação sexual, como se fosse a coisa mais natural... Drogas, apologia do uso das drogas... O que é isso, meu irmão??? A besta, bestificação do sexo, das amizades, do amor... Tá dominado, véio... Tá tudo dominado... Quero dizer, tudo não. Ainda tem gente que não se rendeu pra besta-coisa... Mas é muuuuito raro, muuuuito raro mesmo! O satanás tá deitando e rolando... É o imperador deste mundo... Dono de quase toda a extensão territorial dos corações humanos, inclusive de muitos que se colocam ingenuamente no lugar de combatê-lo, sem saber com quem estão se metendo... (...) Quer ver a marca da besta? Olhe no espelho. Ela está nos seus olhos, nos meus olhos. Nos nossos olhos esbugalhados e famintos de alma.”


Giselle Beckham diz:
O que é um mito? É tipo uma parada que é mentira.
C. Maltz diz:
Não, não... Isso já é uma utilização deturpada da palavra. As pessoas dizem mito quando querem dizer que algo é inventado, que é falso... Na origem a palavra quer dizer uma coisa totalmente diferente. (...) O mito é uma história original. Ninguém sabe quem escreveu, quando escreveu. O mito sempre existiu e não existe no tempo. (...) O mito está além dos limites da razão, explica sem explicar... Se tentarmos entender racionalmente, não vamos entender nada... Temos que nos deixar levar pelo mito... Temos que tentar ser vividos pela narrativa...”


“O James Hillman, aquele junguiano sobre o qual falei pra vocês, esse cara tem umas sacações interessantes, vejam o que ele diz sobre esse assunto (HILLMANJames. Entre-vistas. S. Paulo: Summus, 1989, p. 171):
Sem dúvida, uma cultura tão maníaca e materialista como a nossa gera comportamentos materialistas, principalmente naqueles que só estiveram sujeitos à destruição da imaginação através do que a cultura chama de educação, à destruição da autonomia através do que ela chama de trabalho e à destruição da atividade através do que ela considera diversão. “Educação”, “trabalho” e “diversão” (enfocando unicamente a matéria) criam um comportamento que servirá para justificar as noções dessa cultura. É um eficiente círculo vicioso. Não me admira que tanta gente tolhida por esse comportamento desde o nascimento esteja, em todos os níveis da sociedade, voltando-se para as drogas. Por que usam drogas? Para quebrar o rigor do ambiente corporativamente programado de “educação”, “trabalho” e “diversão”, em outras palavras, para satisfazer a ânsia que elas têm de uma experiência não material. Usam Ácido Lisérgico para ter visões, Heroína e Maconha para ter a sensação de outros mundos, a Cocaína e o Crack para uma injeção de energia que é sugada pelo sifão do meio ambiente...


“Veja a situação desesperadora em que nos encontramos, e me responda você mesmo... A técnica e a ciência vão até certo ponto... Mas é muito raso. Somos basicamente emoções e água. Não temos objetividade nenhuma... Jung dizia que nós somos todos “míopes” e que o máximo que podemos fazer é nos conhecer a ponto de sabermos qual é o “grau de nossa miopia”, ou seja, para que lado a gente distorce a realidade e o quanto a gente distorce... Só o fato de o cara saber que isso existe, segundo o próprio Jung, já não é pouca coisa... O projeto modernista é bem intencionado, mas é ingênuo demais... Simplório, reducionista... O que mais me impressiona é que, mesmo depois da loucura coletiva do povo alemão, sob a batuta de Adolf Hitler, ainda existam pessoas com esse tipo de ilusão... O povo tem memória curta mesmo... Gosta de ser enganado... Como o velho Freud já bem sabia e dizia: “o povo não aguenta viver sem a ilusão... Exige ser iludido”... Veja no que é que as eleições, por exemplo, se transformaram... “Quem mente mais diz a verdade”, como bem já dizia o Gessinger... E não é só aqui no Brasil, não... Veja o sucesso impressionante que fazem esses livros de autoajuda, prometendo milagres... Sabem qual é o item que mais consome dinheiro no mundo hoje? Em primeiro lugar, guerra. E em segundo, pornografia.”


“Veja a situação do superaquecimento global, por exemplo. Somos uma civilização mimada, mal-acostumada, que consome uma quantidade burral de energia e matéria-prima para manter os seus mimos e maus costumes. Pegue uma pessoa qualquer, um empregado qualquer dos Estados Unidos de hoje... Esse cara não suportaria dois dias vivendo nas condições materiais de um nobre da corte de Luís XIV... Ele não aguentaria... Eu não aguentaria, você não aguentaria. Nós nos rebelaríamos.”


C. Maltz diz:
Saí do rock, mas o rock não saiu de mim. O rock é o grito de agonia de uma civilização que está morrendo. É o grito de morte da civilização-coisa. É raiva, lágrima, suicídio, demolição. Era a única coisa que fazia sentido para mim até encontrar o Jung e a porta que a leitura de seus livros me abriu. Foi como encontrar uma tábua num naufrágio. Saber que tinha outro mundo começando, além daquele agonizante que eu estava podendo enxergar.
el escama diz:
AHHH... Não... Você também acha que o rock está morrendo... Não concordo, cara. Sempre estarão nascendo novos “reis” que irão salvar o rock... Como diz aquela música do Neil Young.
C. Maltz diz:
Acho que o Kurt Cobain foi o último e sua morte é bem sintomática... Ele era um esteta da destruição... Foi fiel à sua arte até o fim... Fez a única coisa que poderia ter feito... Se não quisesse ser apenas mais um picareta que se vendeu pelos confortos e mimos da civilização-coisa. Mais um que começa a sua caminhada jogando pedras no Titanic, e que depois é seduzido pelo canto da sereia materialista. Cobain não se deixou seduzir, não virou dono de grife chique. Era um cara de verdade, era aquilo que ele cantava. Por isso, tantos garotos até hoje usam camiseta com a sua imagem estampada. Mas Cobain é destruição pura, morte. Não há saída para ele e seu canto, a não ser a morte e a autodestruição. Cobain era o que os caras do Heavy Metal fazem de conta que são, mas não têm coragem existencial para ser.
el escama diz:
Hehehe, como assim?
C. Maltz diz:
Todos esses garotinhos com cara de mau e voz de ogro... Roupas pretas, papo satânico. Pobres criancinhas. O sistemão nem se coça. Mal botam a cabecinha pra fora e são devorados pelo moedor de carne. Dopados até a morte, confortavelmente anestesiados até a morte. Esse sim é Heavy Metal, esse sim é metal pesado, Death, Trash, Suicide e o que mais você quiser. E ele se chama: Sistema capitalista pós-industrial. A sociedade do espetáculo, como dizia o Debord, a máquina de moer gente, a civilização-coisa... Coisifica tudo... Liquidaram o “rei” de tanta coisa... Elvis morreu de overdose de coisa... Entupido de coisa... Cara, quer apagar a chama de um roqueiro rebelde? Transforme-o num roqueiro rico... Cheio de coisa... Logo, logo o cara tá cheio de coisa pra cuidar... Escravo da coisa e eleitor de gente como o Bush.
Agente Smith diz:
E você, Maltz? Se ficar rico com esse livro, votaria num político como o Bush também? Hehehehe...
C. Maltz diz:
Eu sou um típico eleitor de Obama... Mas... Se eu ficar rico com esse livro, prepare-se... O FIM está próximo, mesmo...
el escama diz:
Hehehehe...
C. Maltz diz:
E aí... Não vai ter muita coisa pra fazer com a grana... Quando o navio está afundando, tanto faz a marca do salva-vidas que você está usando...
el escama diz:
E o Lennon? Se vendeu também?
C. Maltz diz:
Não! John Lennon era um artista de verdade. Sua vida é arte... Podia ter a mulher que ele quisesse. Casou-se com uma japonesa feia e chata... Quero ver qualé desses garotinhos com cara de mau que encara uma dessas... Querem todos comer a mulher-coisa que estiver na moda. Lennon tentou abrir mão de ser um mito. Ficou 8 anos trancado dentro de casa cuidando do seu filho. Aprendendo a ser gente... Mas quando saiu para a rua, o mito veio cobrar a sua taxa: ele já tinha ido longe demais. Não tinha mais para onde voltar. Era um mito e teve de morrer como um mito. Os heróis não morrem de velhice...”


“Consegui juntar o inútil ao desagradável: ser pobre e narcisista.”


“Apesar dos cristãos, Cristo continua vivo em nossos corações.”


Cavaleiro da triste figura diz:
Ah, pra mim aqueles árabes na guerra estão só a fim de grana.
el escama diz:
Você não se venderia?
Cavaleiro da triste figura diz:
Bom... Eu...
Agente Smith diz:
Por um carro? Tu acha que eu sou o que? Se ainda fosse a Daniela Ciccareli... Hehehe..
Mutante diz:
Todo mundo tem um preço?
Cavaleiro da triste figura diz:
Não tenho a menor dúvida...
C. Maltz diz:
E o homem-bomba? Qual é o preço dele?”


C. Maltz diz:
Estou tentando fazer o que o pensamento coletivo de nossa civilização desistiu de fazer: procurar uma saída...
Mutante diz:
Por que você acha que ele desistiu?
C. Maltz diz:
Porque ele está cansado... desiludido... Existem pessoas pensando em saídas? Sim... Mas... poucas... Se levarmos em conta a proporção de gente que não vê mais saídas... E a maioria das que ainda não desistiu de procurar... procura saídas onde talvez não existam mais saídas. Estão no porão do navio... Lutando para continuar respirando. Sem saber que a água já invadiu os camarotes de luxo do convés... Estão tentando tapar o rombo do casco, com chiclete... Mas não percebem que o furo é mais embaixo... O buraco é muito maior do que eles imaginam... O crack da bolsa e a eleição de Barack Obama são apenas a pontinha do iceberg que nos acertou...
Mutante diz:
E de que tamanho ele é?
C. Maltz diz:
Do tamanho da nossa falta de amor...”


Mutante diz:
Você acha que é possível encontrar uma saída pacífica para o conflito Árabe-Judeu?
C. Maltz diz:
A ÚNICA saída possível para qualquer conflito é a pacífica... Você nunca conseguirá interromper o ódio com ódio... A política do olho-por olhodente-por dente gera uma matança que nunca terá fim. Aqueles caras lá do Oriente Médio estão nessa há milênios... É a mesma guerra estúpida... Jesus já veio ao mundo... (Lá mesmo) trazendo a solução... Mas não foi ouvido ainda... Mesmo os caras que colocam aqueles adesivos escrito 100% Jesus... tão lá com aquele adesivo no vidro de trás.... e uma arma no coração (quando não é no porta luvas)...”
(...)
euzinha diz:
Acho que a Palestina é aqui mesmo...
C. Maltz diz:
É isso... Quando estoura uma guerra sangrenta o Oriente Médio, na África, um atentado violento que destrói milhares de vidas em alguma cidade europeia, ficamos chocados (Ficamos mesmo? Ainda ficamos?). Mas não percebemos que temos uma Palestina aqui dentro do nosso país, das nossas casas... Não percebemos que temos uma palestina ocupada e confinada em um campo de concentração dentro de nós... Todas essas crianças pobres jogadas nas ruas como se fossem lixo... Todas essas crianças ricas jogadas nas creches de luxo enquanto seus papais e mamães não têm tempo para cuidar delas, pois estão muito ocupados acumulando coisas... Crianças de dois anos de idade que passam o dia inteirinho na creche... Nos braços de pessoas que são pagas para amá-las...”


Farinha do Mesmo Saco
(Carlos Maltz)

Até mesmo quem você odeia pode ser muito importante
Alguém que você usa de espelho pra se ver de trás pra diante

Até mesmo quem você não conhece pode ser pessoa de fé
Alguém que não espera que você não seja o que é

Até mesmo quem te sacaneia também tem o seu papel
Te mostrando o quanto ainda falta pra você bater nas portas do céu

Até mesmo a nossa humanidade pode ter alguma salvação
No dia em que todo mundo reconhecer que todo mundo é irmão

Há cento e cinquenta mil anos atrás
No colo da Mãe África
Éramos todos negros
Sem dinheiro e sem pátria
Uns foram pro norte, outros foram pro sul
Esqueceram do vovô macaco
Mas somos todos farinha do mesmo saco
Nós somos todos farinha do mesmo saco

Até mesmo quem você despreza pode ter o seu valor
Pessoa que não se entrega e não foge da vida por medo da dor

Até mesmo um bêbado e drogado pode ser o porta-voz
Daquele ser iluminado que um dia andou aqui entre nós

Até mesmo a santa ignorância também tem sua importância
Fazendo com que a gente cresça pela doença a dor e a inconsciência

Brancospretosjaponesesárabeshindúsmulatasjudeus
Todos feitos à mesma imagem pelo amor do mesmo Deus.
Há cento e cinquenta mil anos atrás...
E nem entre numas de pensar que você está sozinho
Bem do seu lado pode ter alguém precisando do seu carinho...

Nenhum comentário: