terça-feira, 15 de dezembro de 2015

A bandeira inglesa – Imre Kertész


Editora: Planeta
ISBN: 978-85-7665-375-2
Tradução: Claudia Abeling
Opinião★★★☆☆
Páginas: 248
“Esse mundo suavizado pela leitura, distanciado pela leitura, neutralizado na própria leitura, mesmo se também falseado, era para mim o único possível de ser vivido, às vezes até um mundo quase suportável. Finalmente aconteceu o momento previsto, no qual me perdi para essa redação e assim também para... a sociedade, quase teria dito, caso tivesse havido então uma sociedade, ou seja, se aquilo que havia tivesse sido uma sociedade para aquilo que se assemelhava a uma sociedade, para essa horda que às vezes gania como um cão maltratado, às vezes como uma hiena faminta, sempre ávida por algo que pudesse ser triturado; eu já estava perdido há muito para mim mesmo e quase me perdi também para a vida. Mas, mesmo nesse ponto mais baixo – naquela época, eu ainda o considerava o ponto mais baixo, antes de conhecer outros mais baixos e cada vez mais baixos, por fim a falta de chão –, mesmo nesse ponto mais baixo, mantinha-se a narratividade, em outras palavras,  o foco da câmera, por exemplo o da lente da câmera de um romance barato. Não sei de onde o tinha, de que se tratava, como se chamava. Já não leio mais romances baratos, desde que certa vez me flagrei na leitura não me interessando mais por saber quem seria o assassino, e que neste mundo – mundo assassino – não é apenas enganoso, mas, na verdade, revoltante, e além do mais desnecessário, quebrar a cabeça para saber quem é o assassino – são todos.”


“Esse romance de detetive me ensinou que, nas raras pausas de sua existência torturada, o homem precisa de prazer: eu não teria ousado dizer isso antes e, se tivesse, no mínimo como um pecado. Nessa época, perigos mortais ameaçavam-me na redação; para ser exato, perigos mortalmente tediosos, não por isso menos perigosos, a cada dia novos e, mesmo assim, a cada dia os mesmos.”


“A morte, se nos preparamos continuamente durante toda uma vida para ela, como a verdadeira tarefa, sim – na realidade –, a única, quando a ensaiamos durante toda uma vida, quando aprendemos a encará-la como – no fim das contas – solução tranquilizadora, mesmo se não tranquilizadora: é algo sério. O tijolo, porém, que cai sobre nossa cabeça, não é sério. O carrasco não é sério. Mas, veja só, apesar disso, os que não temem a morte também temem o carrasco.”


“O homem sempre encontra com exatidão e sem hesitar a mentira de que necessita, da mesma maneira que pode encontrar com exatidão e sem hesitar a verdade de que necessita, caso tenha a sensação de que precisa dela, ou seja, de renunciar à vida.”


“Do que então se nutriria nosso medo constante, se todos não nos sentíssemos um tanto partícipes do mal universal?”


“Mas sim, disse a visita, é totalmente compreensível, todos passamos pela mesma situação: por conta de tarefas secundárias vamos adiando constantemente as prioritárias, muitas vezes durante toda a vida, e depois ficamos perplexos quando nos questionamos a respeito de nossas verdadeiras realizações.”


“O que está acontecendo lá na frente? Uma mulher marcha com passos bambos pela multidão formada à sua frente; por um minuto tudo para, toda a pressa é esquecida: Será que a multidão que se abre está homenageando uma rainha? Olhares a seguem por todos os lados, salvação, alívio, pelo menos um consolo inesperado, confiando numa forma de distração ligeira na confusão arrasadora; olhares que todos querem para si e que, sem dúvida, coincidem nessa esperança compartilhada, o objeto compartilhado transformado na posse compartilhada dessa esperança compartilhada. Todos se viram em sua direção: homens, velhos, moços, maridos de braços dados com suas esposas e também as esposas; essa mulher magnética caminhava no meio do fogo cruzado de desejos, sonhos, paixões, desejos ocultos e exigências secretas, e parece que ela se sente bem no foco dos sentimentos, e, ao lado dos olhares masculinos, os olhares das mulheres lançam ao redor dela faíscas iradas de inveja, admiração ou irritada impotência. Seu passos a carregam com uma confiança ignorada, como se ela não soubesse onde está andando; o sorriso imutável que leva a frente é de todos e de ninguém, se não somente dela própria.
Ela era bonita tal como se aproximava, com a luz explosiva das chamas do sol sanguíneo refletido na fileira de cima das janelas de um edifício ao fundo, como se Babilônia ardesse.
Ela era bonita, sim, e apesar disso havia algo de podre nessa mulher. Sua expressão trazia, de algum modo, o desespero do esforço; sua segurança, algo sonâmbulo; sua beleza, algo diluído, um traço oculto tendendo quase à feiura, que ameaçava se libertar a qualquer momento para apoderar-se desse rosto com súbitas contrações.
Quem era essa mulher? Uma bruxa? Um espírito funesto? Onde ele já havia visto seu rosto? Como um close numa tela de cinema, como a imagem de uma santa ou na primeira página de revistas pornográficas? Ela era realmente corrompedora ou, ao contrário, talvez corrompida: quem poderia descobrir o segredo dessa mulher? Ela estava aqui e, mesmo assim, não estava presente; parecia se oferecer e, mesmo assim, não era acessível, assim como o doce congelado na sua mão, que se dilui em água adocicada quando uma boca vivente o toca: tudo nela era falso, e somente sua falsidade era verdadeira. Sim, era muito claro, a relação se tornou perceptível para os espectadores: eles a corrompiam para poderem chamá-la de corrompida; eles a corrompiam para que ela os corrompessem. Esses minutos, durante os quais ela atravessava a multidão aduladora, enfeitiçada por paixão flageladora, tornaram-se lenda, e esse triunfo enganador tornou-se um erro. Mitos foram fiados sobre ela e ela se tornaria vítima desses mitos; ela acreditava ser conquistadora, mas era apenas uma vítima crédula, acreditava ser destino, mas era apenas presa, ela flertava com a liberdade e deitava-se com a tirania.”


“Não havia dúvida sobre o que pensava: seu sorriso absorto era ao mesmo tempo uma resposta cúmplice ao sol, no seu rosto estampava-se a despreocupação cruel dos banhistas e o compromisso vigoroso de marés calmas – e o emissário descobriu agora, subitamente, uma amargura fugaz, como se estivesse farto do peso das dúvidas que o oprimiam. Seu olhar agradecido procurou o estranho que o tinha ajudado a ver, mas não o encontrou nem no lugar de antes nem em meio à multidão. Lá atrás da balaustrada tudo continuava a fluir, cegamente, sem parar; cada um fazia o seu e apenas o seu, sofrendo e praticando esse horror cotidiano com a indiferença do costume e do afã suicida do autoengano. Sim: seu saber era inútil; sua verdade, indivisível.”


“Nesse momento não me interessa estar pagando a mais, o que já é de lei na minha vida. Quero me dar essa viagem de presente, surpreender a mim mesmo como meu próprio amigo benfeitor e generoso. Gosto de viajar, na realidade, é a única coisa de que gosto. Também sou sempre o mais feliz ao partir e o mais infeliz ao chegar, como Bernhard diz sobre si. Gosto de estar em trânsito, quer dizer, em lugar nenhum.”


“A dúvida e a comoção me assolavam como sempre; eu me conformo com tudo, mas até hoje não consigo me entender com essa ideia de ressurreição: “Então prefiro nem morrer” – como se supõe que Marat tenha dito.”



“Então me enfio novamente no diário de Dalí. Sua ligação com Nietzsche me irrita. Algo que já me chama atenção faz tempo: a sensibilidade dos espanhóis em relação aos alemães. Ortega também foi aluno de Nietzsche e Unamuno poderia conseguir o título de “o aluno mais monótono de Nietzsche” com facilidade. “Nietzsche era um tamanho debilóide que acabou louco por causa da sua incapacidade de viver, embora só exista uma coisa neste mundo: permanecer normal.” Esta frase de Dalí me deixa profundamente indignado. Será que essa pessoa não entende que foi exatamente a loucura de Nietzsche sua ação mais honrosa e consequente? E que a diarreia de ouro nunca teria jorrado com tamanha abundância infinita em sua carteira escancarada se Nietzsche tivesse ficado da mesma maneira “normal”, isto é, sóbrio e previsível como ele, Dalí? Afinal, alguém teve de ser crucificado pela moral para que os outros pudessem então transformá-la em moedas tilintantes...”

Um comentário:

Willma Dantas disse...

Depois dos seus comentários esse é um livro que sem dúvidas vai para a minha wishlist, eu simplesmente preciso lê-lo, de verdade, muito obrigada por me apresentá-lo!
Estou seguindo e adorando o conteúdo do blog!
Abraços.
Tenho um blog no qual falo sobre filmes, series e cultura no geral. Se puder dar uma conferida ficarei muito grata: http://cineleva.blogspot.com/ :)