quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Antologia de Textos (Os Pensadores) - Epicuro

Editora: Nova Cultura
Tradução e notas: Agostinho da Silva
Opinião: ***
Páginas: 44

     “O tom de Epicuro é sempre muito afirmativo; tem horror do ceticismo. Esta teoria, diz ele, é contraditória: como é que um homem pode saber que não sabe nada? O que ele principalmente censura no ceticismo é o não poder fundamentar uma regra de procedimento, porque sempre procedemos segundo aquilo que acreditamos; a ética deve, portanto, ter por base um conjunto de convicções bem firmes. (...)  
     Professava também um profundo desprezo pela investigação curiosa da história: visto que o passado é passado, por que motivo nos temos nós de inquietar com ele?” (E. Joyau)


     “O essencial para a nossa felicidade é a nossa condição íntima: e desta somos nós os amos.”


     “Nem a posse das riquezas nem a abundância das coisas nem a obtenção de cargos ou o poder produzem a felicidade e a bem-aventurança; produzem-na a ausência de dores, a moderação nos afetos e a disposição de espírito que se mantenha nos limites impostos pela natureza.”


     “Se queres enriquecer não lhe acrescentes riquezas: diminui-lhe os desejos.”


     “A quem não basta pouco, nada basta.”


     “Não deves corromper o bem presente com o desejo daquilo que não tens; antes, deves considerar também que aquilo que agora possuis se encontrava no número dos teus desejos.”


     “Quem menos sente a necessidade do amanhã mais alegremente se prepara para o amanhã.”


     “A vida do insensato é ingrata, encontra-se em constante agitação e esta sempre dirigida para o futuro.”


     “Recordemos que o futuro não é nosso nem de todo não nosso, para não termos de esperá-lo como se estivesse para chegar, nem nos desesperarmos como se em absoluto não estivesse para vir.”


     “Não realizes na tua vida nada que, se for conhecido por teu próximo, te possa acarretar temor.”


     “A serenidade espiritual é o fruto máximo da justiça.”


     “De todas as coisas que nos oferece a sabedoria para a felicidade de toda a vida, a maior é a aquisição da amizade.”

3 comentários:

Doney Stinguel disse...

O livro possui cinco autores distintos – que não só possuem mais de 500 anos de distância entre o mais antigo e o mais recente, como também perpassam variadas posições sociais – filósofos, senador e até mesmo um imperador romano.
Desta maneira não haveria como inseri-lo na lista como um único livro, já que na estrutura do blog o elemento classificatório é o autor. Então, para não confundir e desestruturar a lista, as postagens serão divididas consoante os autores, com suas respectivas obras e número de páginas que efetivamente ocupam neste livro.

t. santos disse...

Eu comprei no sebo este livro. Vou ler em breve. VALEU!!!!!

Sugestão de Livros disse...

Este volume apresenta trechos interessantes:

“O essencial para a nossa felicidade é a nossa condição íntima: e desta somos nós os amos.”

“Se queres enriquecer não lhe acrescentes riquezas: diminui-lhe os desejos.”