quinta-feira, 24 de abril de 2014

A Torre Negra: O Pistoleiro - Stephen King

Editora: Objetiva
ISBN: 978-85-730-2603-0
Tradução: Mário Molina
Opinião★★★☆☆
Páginas: 224
“Só Deus faz as coisas certas logo da primeira vez.”


“Você não verá o que não estiver procurando.”


“Os aglomerados tinham degenerado em habitações isoladas, em geral ocupadas por leprosos ou loucos. Achou que os loucos eram melhor companhia. Um lhe dera uma bússola Silva de aço inox e mandou que ele a entregasse ao Homem Jesus. O pistoleiro aceitou-a com ar grave. Se O visse, entregar-lhe-ia a bússola. Não contava que isto fosse acontecer, mas tudo era possível.”


“Talvez a virtude esteja sempre além de seu alcance.”


“O pistoleiro sentiu uma grande, horrível sede em algum buraco profundamente desconhecido do corpo, uma sede que nenhum gole de água ou vinho poderia abrandar. Mundos tremiam, alguns dentro do alcance de seus dedos e, de uma forma instintiva, ele lutava para não ser corrompido, sabendo no fundo frio de sua mente que tal luta era e sempre seria vã. No fim, havia apenas o ka (destino). Era meio-dia. Ele ergueu os olhos, deixando a enevoada, instável luz do dia brilhar pela última vez sobre o sol extremamente vulnerável de sua própria virtude. Ninguém jamais realmente paga pela traição em prata, pensou. O preço de qualquer traição sempre é devido em carne.”


“Conseguimos nos introduzir num dos velhos balcões, justo aqueles que estariam inseguros e estavam condenados. Mas éramos garotos, e garotos serão sempre garotos, por isso fomos lá. Para nós, era tudo perigoso, e daí? Não tínhamos sido feitos para viver para sempre? Achávamos que sim, mesmo quando conversávamos entre nós sobre nossas mortes gloriosas.”


“Ninguém se importa, nas conferências do supremo, se você empenha sua alma ou parte logo para vendê-la.”


“Só iguais falam a verdade, é assim que penso. Amigos e amantes mentem sem parar, presos na teia do respeito. Como é cansativo!”

Um comentário:

Corredor Capixaba disse...

Longos dias e belas noites. Você diz a verdade e eu digo obrigado Sai Doney. O ka é uma roda!