A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Esperando Godot - Samuel Beckett

Editora: Cosac Naify
ISBN: 978-85-7503-458-3
Tradutor: Fábio de Souza Andrade
Opinião: *
Páginas: 240
     “– Juntos, tivéssemos sido os primeiros em nos jogar da Torre Eiffel. Então, sim que o passávamos bem. Agora já é muito tarde. Nem sequer nos deixariam subir.”


     “– Quanto mais gente encontro, mais feliz sou. Com a criatura mais insignificante alguém aprende enriquece-se, saboreia melhor sua felicidade.”


     “– As lágrimas do mundo são imutáveis. Por cada um que começa a chorar, em outra parte há outro que cessa de fazê-lo. O mesmo se passa com a risada. Não falemos, pois, mal de nossos tempos; são piores que os passados. Claro que tampouco devemos falar bem. Não falemos.”


     “– Bem é verdade que ficando de braços cruzados, pesando os prós e os contras, também fazemos honra a nossa condição. O tigre se precipita em auxílio de seus semelhantes sem pensá-lo. Ou refugia-se no mais espesso da selva. Mas a questão não é esta. – “O que fazemos aqui?”, é o que temos que nos perguntar. Temos a sorte de sabê-lo. Sim; em meio desta imensa confusão, uma só coisa está clara: esperamos que venha Godot.”

Um comentário:

Kleiton Gonçalves disse...

Preciso ler este livro, há anos.

Gostei do blog. Te seguindo.

Kleiton Gonçalves
kleitongoncalves.blogspot.com.br
poesias-ilustradas.blogspot.com.br