A conversão de São Paulo

A conversão de São Paulo
A conversão de São Paulo

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Capital Humano - Stephen Amidon

Editora: Objetiva
ISBN: 8573027401
Opinião: ***
Páginas: 368
         “Caíram em silêncio. Ele esperou que ela desligasse primeiro, como sempre. Ela fez sua vontade.” 


       “Jamie era quase tão inteligente quanto Quint, descontando a matemática; muito mais sociável e certamente mais bonito. O que lhe faltava era a determinação do pai. Não havia comparação. Diziam que a culpa fora do excesso de mimo, mas Carrie sabia que não era só isso. Eram os traços que herdara dela. A brandura. A indecisão. A fragilidade. Tudo que restava a uma alma artística quando o talento lhe faltava. (...) Você devia ter escolhido a mim, pensou ela, contemplando Jamie. Tudo em mim é perdão. Você vence só por existir.”


     “Falou da mãe também. Virginia. Ginny. Trabalhara com higiene dental durante muito tempo. Antes andara com um bando de motoqueiros. Não tivera muita sorte com os homens, especialmente com o pai de Ian, que sofria violentas mudanças de humor. Durante um desses acessos, foi parar na Califórnia, onde bateu a moto a quase 200 quilômetros por hora, com resultados previsíveis. Depois que Ian nasceu, ela passou a ter um sério problema de peso. Quando descobriu que tinha câncer, tornou-se religiosa e tentou fazer um acordo com Deus para lhe dar mais alguns anos. Mas Deus não estava interessado em acordos, e ela teve uma morte dolorosa três meses depois.”


     “
 Como sabia que eu faria aquilo?
      Sei tudo sobre você – disse ele sem hesitar.
     Era o tipo de coisa que crianças diziam umas às outras como provocação. Como se fossem videntes. Mas aquilo era diferente. Ele falava sério. A suspeita que ela sentira nos últimos meses se confirmou. Estava apaixonado por ela. Ninguém jamais a amara a não ser seus pais, mas era um amor tão complicado e corrupto que não se parecia nada com aquilo.”


      “O fato de não conseguir imaginar seu destino não evitaria que ele se precipitasse em sua direção.”


      “Como tutor, David teria direito apenas ao necessário para manter a casa funcionando no estilo modesto da irmã. No entanto, havia a promessa de uma grande recompensa no futuro, desde que ele não fosse embora. Além disso, se David não cuidasse de Ian, o menino iria parar num lar adotivo, medida que costumava produzir drogados, criminosos e cristãos evangélicos. Ele não podia deixar isso acontecer com o sangue do seu sangue.”


     “
 Como assim? Você roubou a lasanha?
      A propriedade privada é roubo – disse ele, levantando da cama. – Massa para as massas.”


     “
 Muito bem, Jamie. Você está prestes a se tornar um total babaca. Só falta se filiar ao Partido Republicano para completar o pacote.”


     “Seu pai sempre dizia que o problema dos atalhos é que costumavam acabar em despenhadeiros. O velho tinha razão, como sempre.”


      “Agora só lhe restava tomar outro longo banho e torcer para que houvesse água bastante no reservatório para lavar todos os vestígios daquele dia sórdido.”


      “Bebeu a coca de Ian e amassou a lata com a mão. Outra coisa que era diferente. Quando tinha a idade de Ian, esmagar uma lata vazia exigia um esforço hercúleo. Agora era como fazer uma bola de papel. Por que tudo estava ficando tão frágil? Não era para o mundo ficar cada vez melhor e mais forte? Mas tudo funcionava ao contrário. A inflação, por exemplo. Os preços não deveriam baixar agora que havia máquinas e computadores e tudo era feito em países onde se ganhava 10 centavos por dia? Até parece. Se você amassar o carro de alguém, lá se vão mil dólares. Toda vez que levava o Chevette na oficina – o que vinha acontecendo com frequência –, gastava uma semana de seu salário. E aquela casa ordinária, que não tinha nem vinte anos e já estava caindo aos pedaços? Qual era o sentido de todos trabalharem tanto se tudo só se tornava mais difícil? Uma geração depois da outra, enterrando-se em túmulos precoces. Dez bilhões de horas desperdiçadas em empregos maçantes e sem sentido, só para o mundo ficar cada vez mais caro e perigoso. E Ginny? Trabalhara tanto para pagar as contas, e o que lhe acontecera? Um veneno maligno cresceu dentro dela, tirando-lhe a única alegria que esperava ter na vida: ver o filho crescer. E o próprio Ian – depois de lutar tanto para se reerguer, fez um favor para um ricaço e agora corria o risco de perder tudo. A própria decisão de David de viver com decência só lhe trouxera problemas. Quem poderia afirmar, sinceramente, que sua vida ficara mais fácil depois que parara de vender drogas e embebedar universitários? Era aquilo que os terapeutas e a polícia não entendiam. A vida era moleza para quem não ligava para nada. Era só alugar um quarto em algum lugar, apoiar o governo. Beber, trepar e viver de pequenos golpes. E, quando aparecia algum obstáculo, era só se desviar. David conhecia muita gente que vivia exatamente assim e era mil vezes mais feliz do que ele nos últimos anos. Fora aquele momento, que agora parecia tão distante, quando ele, diante da mesa de um artista, contemplara o belo pântano através dos olhos do sobrinho. Era só começar a desejar algo real e sólido na vida para os problemas começarem.”

 
     “ Vou lhe dizer uma coisa. Este meu emprego seria muito mais fácil se eu não tivesse que lidar com adolescentes.”